02
out

Quais as métricas mais importantes para uma agência de publicidade?

Você costuma analisar quais os clientes mais ou menos lucrativos da sua agência? Este é um exemplo de métrica que você precisa ficar atento. Conheça agora outras métricas importantes para uma agência de publicidade.

Quais as métricas mais importantes para uma agência de publicidade

Na hora de gerir a sua agência de publicidade, suas decisões são tomadas baseadas apenas na sua experiência? Acha difícil gerir um negócio e prefere apenas investir na sua criatividade?

Cuidado, essas atitudes podem até funcionar em curto e médio prazo, ou quando o mercado estiver em alta, mas em época de crise e recessão, como a que vivemos, essa atitude pode ser fatal. Por isso, é importante saber quais são e como analisar as métricas que indicam a saúde da sua agência.

Quer saber mais? Continue a leitura!

O que são as métricas na gestão de uma agência de publicidade?

As métricas são itens bastante conhecidos no dia a dia do trabalho de qualquer publicitário, ou pelo menos deveriam ser. Afinal, elas indicam se as estratégias pensadas e criadas para os seus clientes estão ou não trazendo resultados, como o retorno sobre o investimento, o custo de aquisição de novos clientes, o número de acessos em determinada página e assim por diante.

Quando falamos em gestão, também existem algumas métricas (financeiras e de produtividade) que precisam ser consideradas e analisadas frequentemente, indicando se o seu negócio está crescendo e tendo lucro, ou apenas conseguindo pagar as contas.

Para ter indicadores precisos, é muito importante começar a pensar em itens como:

  • planejamento estratégico: com uma visão a curto, médio e longo prazo dos objetivos da empresa;
  • relatório de gestão: busca revelar a situação do empreendimento dentro de um período analisado, permitindo uma tomada de decisões mais eficiente.

Quais são e como analisar as métricas mais importantes para uma agência?

Agora que você já compreendeu um pouco mais sobre o que são as métricas e como elas devem ser levantadas de forma integrada a outras ferramentas de gestão, veja as principais a serem analisadas.

Guia de Gestão de Agências por Felipe Morais

O autor Felipe Morais pontua alguns tópicos importantes para realizar uma boa gestão em agências como a sua agência neste guia incrível


Gestão de Agências

Receita

Você sabe responder se, hoje, a sua empresa é realmente lucrativa? Qual é a sua receita mensal e anual? Embora esses sejam dados básicos na hora de administrarmos um negócio, nem todos os gestores de agências de comunicação sabem apontá-los.

O primeiro passo é definir quais são as suas fontes de receitas, como:

  • fee mensal: modelo mais tradicional, que permite uma receita recorrente e previsibilidade de entrada, pois os contratos costumam ser de média a longa duração. Aqui, o cliente paga mensalmente um valor fixo, de acordo com um determinado calendário de ações;
  • projetos pontuais: são contratos de curta duração, que buscam atingir objetivos mais imediatos. A remuneração cobre as atividades desempenhadas e o lucro da agência. Nesse sistema, pode ser necessário ter mais controle para manter o caixa em dia;
  • sucess fee: modelo interessante para as agências que estão começando, já que você receberá uma parcela pré-definida em contrato caso determinadas metas sejam alcançadas. A ideia é usar essa técnica para conseguir fechar contratos de longo prazo em sistema de fee mensal.

Além da forma de receber, você também deve ter controle de todos os custos fixos e variáveis da sua empresa para, então, poder definir a lucratividade — esse lucro pode ser obtido por meio da fórmula: receita - custos.

 


Contas a pagar e a receber

Entender como é o seu caixa mensal ajuda a ter mais domínio sobre a sua vida financeira. Isso significa ter um controle preciso de todas as contas do mês e também uma projeção dos meses seguintes.

Com isso, você evita trabalhar no vermelho e consegue antecipar maus períodos, fazendo um planejamento mais adequado para atrair novos clientes ou reduzir os custos fixos, melhorando a sua vida financeira.

 


Clientes mais e menos lucrativos

Não adianta apenas saber se a sua empresa dá lucro, é preciso entender quais são as contas que mais impactam no seu financeiro. Nem sempre aquele cliente que paga mais mensalmente é o que melhor contribui para o seu negócio, afinal, devem ser avaliadas questões como recursos alocados e horas trabalhadas no projeto.

Para definir a sua margem de lucro, divida o lucro pela receita. A fim de ter métricas precisas, é essencial que você consiga definir o quanto cada um dos seus funcionários trabalhou no projeto (e o custo dessas horas trabalhadas), os recursos alocados, os custos fixos e variáveis e outros índices que podem afetar essa conta.

Às vezes, seu cliente pode pagar uma boa quantia mensal, mas os custos envolvidos para chegar aos resultados propostos é muito alto e a sua margem de lucro é baixa. Isso significa que esse não é um bom cliente para a sua agência.

Custo por hora dos funcionários e custos fixos

Já deu para notar que entender quais são os seus custos é essencial a fim de poder definir uma margem de lucro realmente interessante para os seus serviços, não é? Para isso, ter controle sobre o quanto os seus funcionários impactam o seu financeiro é fundamental.

O mais recomendado é sempre tentar controlar as horas trabalhadas das suas equipes por projeto. Isso pode ser feito de inúmeras formas, desde planilhas manuais, até softwares mais avançados.

Calculando quanto custa a hora do seu funcionário por projeto, você já pode começar a compor os valores mais adequados dos seus serviços, colocando nessa conta, ainda, todos os custos fixos e variáveis, como aluguel do espaço, condomínio, conta de energia, água, internet e telefone, softwares usados, entre outros.

Números de refação

Sabendo quanto custa a hora do seu funcionário, é possível entender o quanto a refação é capaz de impactar negativamente na sua gestão. Afinal, se o cliente paga pelo job apenas uma vez, mas este retorna o tempo todo para ajustes e consome o tempo dos seus funcionários, quem paga por todo esse processo extra é você.

Entenda quais são os clientes que têm o maior índice de refação, em qual ponto do trabalho esses ajustes costumam acontecer e quais são os motivos que levam a isso — como a falta de um briefing adequado, pré-aprovação do trabalho malfeita, problemas na execução, entre outros. A partir daí, fica mais fácil evitar altos índices de retrabalho.

Churn de clientes e turnover de funcionários

churn é o número de clientes que abandonam a sua agência ainda no meio de um contrato ou que não renovam o serviço. Essa métrica é importante porque impacta diretamente na manutenção da sua receita recorrente, na lucratividade e também no crescimento do seu negócio.

Se o seu churn está muito alto, vale a pena tentar entender os motivos que levam a isso e pensar em estratégias para evitá-lo. O mesmo deve ser feito com o turnover dos seus funcionários, afinal, contratar e treinar pessoas novas pode impactar bastante na sua receita.

Talvez seja preciso melhorar o salário, os benefícios ou até o clima organizacional, retendo talentos e mantendo os funcionários mais produtivos.

É claro que essas são apenas algumas sugestões para você começar a analisar as métricas na sua agência de publicidade. Dependendo da sua realidade, podem existir outras mais ou menos importantes. A partir dessa análise, você poderá começar a fazer mudanças importantes no seu negócio e torná-lo ainda mais lucrativo.

Gostou deste conteúdo? Que tal aprender um pouco mais sobre gestão com este minicurso gratuito sobre Business Intelligence?  Com ele você entende um pouco mais sobre como a o raciocínio do business intelligence pode ajudar você como gestor a fazer sua agência de publicidade a crescer ainda mais. Clique no banner abaixo e aproveite!

Clique aqui e acesse o curso de gestão de agências