20
jul

Como atrair clientes por meio das principais 5 tendências mobile

Os robôs que conversam com os consumidores, conhecidos como chatbots, são uma grande tendência de mobile marketing em 2018. Eles garantem velocidade de resposta para as aflições do público. Descubra mais neste artigo!

Como atrair clientes por meio das principais 5 tendências mobile

Muitos diretores de agências estão cada vez mais afastados do setor criativo para dar mais atenção à gestão do negócio. Afinal de contas, são necessárias várias táticas diferenciadas para buscar mais clientes.

Nesse sentido, as tecnologias mobile não podem ficar de fora de seus planos estratégicos. Desde o lançamento da App Store, em 2008, elas não param de evoluir, revolucionando o modo de vida, de trabalho, de lazer e, é claro, de comprar.

Com usuários mais maduros, hardwares mais avançados e populares e com um barateamento do custo da programação dos softwares, novas chances de empreender estão em toda a parte. Só que é preciso sagacidade para identificá-las.

Ficou interessado? Então, veja neste post cinco tendências mobile e como elas podem ajudar na prospecção e retenção de clientes. Confira!

    Confira também:

 

1. Entenda a importância da inovação para atrair mais clientes

Com a chegada do marketing digital, muitos negócios publicitários perderam parte do poder de negociação com seus atendidos. Para reverter esse quadro, é preciso investir em atualizações capazes de manter o prestígio e a receita desse empreendimento.

Nesse contexto, o primeiro passo é compreender que o consumidor vem migrando cada vez mais para a compra mobile. Pesam nessa tendência vários fatores, como conforto, praticidade, mais aplicativos de e-commerce disponíveis, além de uma vastidão de bens e serviços à venda por meio do celular.

Nesse novo formato de negociação, quem compra busca encontrar soluções inovadoras, que sejam acessíveis em diferenciados tamanhos de tela e que possam ser abertas em vários sistemas operacionais. Por essa razão, proporcionar o melhor job já não basta. É preciso estar atento às nuances do comércio eletrônico, tanto para o bem da agência quanto para o sucesso dos clientes que ela atende.

Para se ter uma ideia da importância desse setor, apenas em 2017, ele movimentou 1,16 trilhão de dólares em todo o mundo. No país, 51% das lojas online afirmam ser lucrativas.

A rede varejista Magazine Luiza, também em 2017, divulgou o maior lucro trimestral de sua história, com uma alta de 273% em relação ao mesmo período do ano anterior. O excelente desempenho, segundo a organização, aconteceu por causa da expansão do e-commerce, que ampliou 55%.

Tudo isso graças à visão de vanguarda da companhia em investir em uma plataforma de varejo robusta, considerada uma das mais bem-sucedidas do país. Afinal de contas, boa parte dos leads fica com o smartphone ao alcance das mãos o dia inteiro.

Em um cenário como esse, as projeções para a área não poderiam ser mais promissoras: o e-commerce mobile deverá movimentar aproximadamente 250 bilhões de dólares até 2020.

Por tudo isso, é preciso redesenhar as estratégias, profissionalizar a gestão, automatizar as operações, rever o planejamento de mídias e começar a preparar a agência para o futuro.

 Nova call-to-action

 

2. Saiba usar a Internet das Coisas a seu favor

Tem sido bastante comum a dificuldade de reter clientes nas agências. O principal motivo disso, na maioria dos casos, é a falta de organização mediante um crescimento desordenado nos últimos anos. A ausência de processos bem definidos e fixados, em diversas situações, atrapalha os gestores de propaganda no acompanhamento do mercado.

Por essa razão, é indispensável ter a consciência de que, para continuarem lucrativos, os negócios publicitários precisam compreender a importância dos micromomentos dos consumidores. Isso é indispensável para aumentar a produtividade. Você sabe o que são os micromomentos?

Trata-se dos instantes nos quais o público decide adquirir um produto ou um serviço. Nesse contexto, para ter vendas de sucesso, vai ser essencial entender as peculiaridades da relação entre os micromomentos e a comunicação mobile.

Com tantas opções na Internet, que ainda concorre com o mundo físico, os leads estão cada vez mais impulsivos, sem foco e multidisciplinares. Em razão disso, chamar a atenção deles é um grande desafio. Embora fiquem no smartphone por muitas horas, são muitos aplicativos e interações acontecendo ao mesmo tempo, disputando a atenção desse comprador.

No meio desse bolo, entra como protagonista a IoT (Internet of Things ou Internet das Coisas), que pode ser descrita como uma conexão informática de uma máquina à outra. Por meio de aplicativos e sensores, é viável que dois tipos diferentes de hardwares compartilhem dados e linguagem de programação para execução de tarefas.

Desse modo, a IoT é capaz de fazer que uma mercadoria passe a ser mais um ponto de venda, ou até mesmo mais um instrumento para se relacionar com o público. Assim, é viável realizar ações de marketing em smartphones, tablets, Smart TVs, entre outros dispositivos.

Ademais, existe um outro leque de atuação que são as interfaces vestíveis, como relógios e pulseiras, que também são exemplos de produtos que podem se tornar novos canais de interação com sua audiência. É com esse mundo que você lidará daqui para frente.

Isso mudará completamente a parte administrativa, permitindo expandir a gestão de contratos, com chances bem mais promissoras de converter leads em clientes. Trata-se de um suporte até então inimaginável para as estratégias de marketing. Mas, para desfrutar desses mercados inovadores, será preciso monitorar as mudanças na relação de consumo.

Apesar de esses avanços tecnológicos serem imprevisíveis, existem tendências que jogam alguma luz sobre essas dúvidas. Logo a seguir, você confere algumas delas!

 

Inteligência Artificial

Uma das grandes tendências de IoT e de mercado mobile é a inteligência artificial, que pode trazer muitos benefícios para o marketing. Com ela, é viável automatizar tarefas de modo eficaz e escalável, isto é, em grandes proporções.

Esse benefício vale tanto para ações complexas como para atividades do cotidiano, como envios automáticos de e-mails conforme o tipo de situação: cobrança, felicitação de aniversário, campanhas promocionais, entre outras.

A inteligência artificial permite ainda a otimização dos resultados, com menos erros e um aproveitamento maior das interações que os consumidores fazem nos chatbots, robôs que respondem aos movimentos dos usuários em uma aplicação. Fique tranquilo, já que falaremos com mais profundidade sobre eles ainda neste post.

Por tudo isso, a utilização da IoT e da inteligência artificial garante que o atendimento de um site seja mais veloz e customizado, o que vai potencializar as estratégias de fidelização. Aumentando a retenção dos seus atuais anunciantes, você gastará menos tempo para descobrir como atrair clientes, já que sua necessidade de expandir os negócios será bem menor.

 

Geolocalização

Aliada ao comércio mobile, a IoT também promete trazer novidades que envolvem a geolocalização. O Banco do Brasil, por exemplo, lançou um aplicativo para comercializar o crédito rural, um de seus principais produtos. Voltada a tablets e smartphones, tal solução proporciona aos produtores rurais a captura das coordenadas das terras para as quais eles desejem um valor em crédito.

Com esse app, o usuário consegue enviar de seu celular para o banco detalhes sobre essa propriedade, de modo que a agência tenha condições de agilizar a avaliação de liberação ou veto a esse financiamento. Em outras palavras, a instituição financeira está investindo em serviços conectados a dispositivos móveis para expandir sua clientela.

 

Ética no uso de dados

marketing orientado por dados continua em alta, mas a sociedade cobra mais transparência no uso dessas informações. Recentemente, até o todo-poderoso CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, teve que prestar contas nos parlamentos norte-americano e europeu por causa do escândalo envolvendo a consultoria de marketing político Cambridge Analytica.

Essa empresa teria desvirtuado uma autorização do Facebook para exploração de dados de 84 milhões de usuários. Com isso, esse conteúdo acabou sendo empregado de forma indevida durante a campanha republicana do então candidato à presidência Donald Trump.

Esse fato está sendo investigado pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos e pelo FBI. Depois que esse vazamento foi revelado, as ações da rede social caíram 6,77%, reforçando como a ética e o cuidado com as informações das pessoas é uma tendência de crescimento entre as novas exigências de consumo.

 

Mercado messaging

O mercado de messaging é outro que tende a apresentar crescimento quando o tema é o mercado mobile. No começo de 2018, o WhatsApp anunciou um novo aplicativo voltado a negócios, o WhatsApp Business, que permite a troca de mensagens com estatísticas e métricas simplificadas.

Já o Google tem uma ferramenta chamada RCS, que é um estágio mais avançado do que o SMS, com possibilidades extras de interação e que deve ser expandida por meio de parcerias com as operadoras de telefonia. Isso também deve contribuir para a definição dos próximos passos do setor mobile.

 

Audio advertising

Depois de passar por um boom no ano passado, o áudio digital promete manter seu lugar de queridinho do público. Existe, portanto, uma inclinação para que ele continue sendo um sucesso. E essa curva de crescimento tende a avançar em diversos países.

Carros conectados a smartphones amplificaram o sucesso de podcasts, de streaming de músicas e das rádios online, que se tornaram também novos canais para a atuação da propaganda.

 

Mobile payment

Seja qual for a solução escolhida, facilitar as formas de pagamento é um grande diferencial competitivo para quem está na dúvida de como atrair clientes. Afinal, com a correria do mundo moderno, tudo que implique economia de tempo tem muito valor agregado para o consumidor.

Nesse sentido, outra grande tendência no mercado mobile são os sistemas payment, que garantem transações financeiras digitais com muito mais segurança. Para as empresas, existe a vantagem de que essas aplicações conseguem atuar em grande escala.

Os smartphones já contam com recursos de proteção nativos em seus sistemas operacionais — como a autenticação biométrica —, que ajudam a evitar operações fraudulentas. Desse modo, os aplicativos para pagamentos online são mais uma tendência nesse setor.

 

Pesquisas por controle de voz

Também está em ascensão no marketing os sistemas de pesquisa por controle de voz. De acordo com informações do Google, atualmente, 25% das consultas realizadas por meio de seu buscador acontecem por meio do app de comando de voz Google Assistent.

Da mesma forma, sistemas como o Alexa, Siri e Cortana estão se popularizando a cada dia, e as expectativas dão conta de que, em breve, eles poderão efetuar compras no lugar de um cliente, o que vai impulsionar ainda mais o mobile commerce. Daí a importância em se investir na automação dos processos para que, no futuro, a agência consiga desfrutar de todas essas inovações.

 

Realidade aumentada

Com o progresso da realidade aumentada e dos wearables hardwares (dispositivos vestíveis), as lojas virtuais poderão lançar cupons inteligentes por meio de mensagens digitais conectadas a imagens físicas.

A ideia é captar pela câmera do celular um elemento real (a fachada de uma loja, por exemplo) e receber diretamente nesse smartphone cupons promocionais inteligentes ou até mesmo pesquisas de análise de outros consumidores sobre esse estabelecimento comercial. Desse modo, está muito próxima a experiência completamente imersiva.

Vamos a um exemplo prático? A empresa norte-americana de planos de saúde Oscar Health está oferecendo um smartwatch a seus clientes. Esse equipamento coleta informes sobre os hábitos desse consumidor, como o total de horas de sono e a quantidade de tempo dedicada à prática de exercícios físicos.

Todo esse conteúdo é remetido para o banco de dados da companhia. A partir desse acervo, a empresa remete ao usuário um projeto para ter uma vida mais saudável.

Aqueles que conseguem acatar as sugestões recebem abatimentos em suas prestações mensais. Mas esse não é um caso isolado. As operadoras de saúde norte-americanas estão investindo pesado em inteligência artificial para satisfazerem seus pacientes.

 

3. Desfrute das vantagens dos chatbots

Tem dificuldades em entender por onde o mercado publicitário vai evoluir? Se sua resposta para essa pergunta for um sim, então, reflita sobre a possibilidade de investir nos chatbots. De uma forma ou de outra, todas as tendências mobile têm relação com a IoT e com a inteligência artificial. Algumas delas, porém, de tão promissoras no mercado, merecem tópicos à parte. Esse é o caso dos chatbots.

A palavra “chat” significa “diálogo”, enquanto “bot” significa “robôs”. Ou seja, chatbots são robôs que conversam com o público. Vários especialistas apontam os chatbots como a maior tendência no marketing para 2018Isso porque esse método aumenta a velocidade e a eficiência do atendimento ao cliente.

O grande desafio da área de programação é aperfeiçoar essa tecnologia a ponto de ela chegar a um nível de inteligência artificial capaz de tomar decisões de forma binária e de encantar os clientes com isso. O objetivo é que o consumidor fique completamente satisfeito com a interação feita por meio desses sistemas. Os chatbots interconectam canais à base de dados para trazer mais customização aos diálogos.

Essas interfaces atuam por SMS, por apps de mensagens, como o WhatsApp, por aplicações mobile, por telefonemas, por e-mails, por interações no site, entre outros. Mas, afinal, por que eles estão tão em alta? Por causa do efeito positivo dos feedbacks.

Quando um consumidor faz uma encomenda, por exemplo, ele se sente mais confiante ao receber logo em seguida uma confirmação de que aquela operação foi realizada com sucesso. Isso vai agregando valor aos produtos e serviços das lojas eletrônicas.

Além disso, os chatbots podem oferecer informações automáticas sobre o status de uma entrega, por exemplo, o que ajuda a aumentar a velocidade dos leads na jornada do funil de compras, estimulando a fidelização a esse aplicativo.

Há uma perspectiva muito forte no mercado de que, por causa da inteligência artificial, esses recursos informáticos serão capazes de gerar um processo comunicativo cada vez mais complexo e interativo. Assim, esses instrumentos vão assegurar que os clientes recebam a informação que procuram de forma imediata, isto é, no instante em que eles a requisitam.

Confira mais vantagens dos chatbots logo a seguir!

 

Economia

Na comparação com os gastos para desenvolver um aplicativo próprio, os chatbots são mais econômicos, já que podem ser elaborados e personalizados em serviços com plataforma aberta. Além disso, esses robôs ajudam as empresas a gastarem menos com salários de colaboradores.

 

Autoaprendizado

Outra relevante característica dos chatbots é que eles são capazes de assimilar conhecimento conforme interagem com as pessoas. Essa qualidade é chamada de “machine learning”. Com esse atributo, os chatbots conseguem se adaptar de forma independente conforme são expostos a novos dados.

A partir de cálculos já realizados, eles vão ganhando habilidade para tomar novas decisões, com efeitos mais confiáveis, calcados na repetição. Não se trata de um método novo, mas de um procedimento que também está evoluindo.

Desse modo, quanto mais um robô dialoga com os clientes, mais alta fica a sua aptidão para processar novas informações. Como resultado, quando outra solicitação parecida for feita, o sistema vai aperfeiçoando as reações da máquina.

 

4. Usufrua dos benefícios dos aplicativos empresariais

Há algumas décadas, disponibilizar um aplicativo próprio era algo impensável para as empresas, principalmente, para as de médio e pequeno portes. Os serviços de programação eram demasiadamente caros, complexos e demorados. Hoje, a criação de apps está bem mais acessível, financeira e tecnologicamente.

Os aplicativos corporativos têm como função alavancar as vendas, proporcionando uma experiência enriquecedora para o cliente, além, é claro, de facilitar o ingresso em novos nichos e ramos.

Esses meios tecnológicos proporcionam uma gestão mais profissional, com relatórios de performance bem mais produtivos devido à possibilidade de enriquecer as informações sobre o público.

Afinal, o aplicativo corporativo oferece uma maneira extra para explorar informações sobre os clientes e aperfeiçoar ainda mais as suas estratégias de marketing, com conteúdo cada vez mais rico e direcionado.

Confira algumas tendências entre os aplicativos empresariais para este ano!

 

Expansão das funções on-demand

O investimento em aplicações pelas quais o público possa requisitar os serviços ou produtos de uma empresa está mais em alta do que nunca. Isso porque elas são fáceis de serem usadas, dispensam a necessidade do telefone e permitem mais conforto para o consumidor.

São modelos dessa categoria as ferramentas informáticas como as da Netflix, Ifood, Airbnb, Uber, Spotify, entre outras. Por isso, os gestores de publicidade precisam ficar atentos a esse filão, já que muitos negócios anseiam por investimentos desse tipo, capazes de aumentar as vendas em proporções exponenciais.

 

Avanço de apps instantâneos para Android

Embora esteja ainda em fase tenra, outra importante tendência dos apps empresariais é a expansão dos aplicativos instantâneos para sistemas operacionais Android a partir da versão 6.0. O principal objetivo é garantir o uso de aplicações pelo celular sem precisar baixá-las.

Em média, um smartphone tem 60 apps instalados, sendo que boa parte dos usuários vai fazendo downloads de modo que ultrapassa — em muito — essa marca. Além de atrapalhar a visualização nas telas, isso ocupa espaço demais na memória dos aparelhos. Assim, embora haja uma tendência de expansão desses apps, é necessário vencer a resistência dos clientes em baixá-los.

Nesse sentido, no final de 2017, o Google apresentou uma ideia para tentar vencer essa barreira. Trata-se dos aplicativos instantâneos do Android, que podem ser usados com base apenas no navegador, sem precisar fazer a instalação da ferramenta no hardware.

Essa novidade deve impulsionar o mercado de aplicativos esporádicos ou de único uso, como de companhias aéreas ou de tíquetes de estacionamentos.

 

Aumento de aplicativos baseados na nuvem

Também seguem com tendência de alta os aplicativos baseados em nuvem. Segundo o Cisco VNI Global Mobile Forecast (2015-2020), em 2019, os apps em cloud computing devem responder por mais de 90% da circulação de dados entre as aplicações mobile.

Os clientes também procuram o benefício de usufruir dessas soluções sem impactar a memória dos smartphones. Além disso, os recursos de segurança também são parte dos atrativos.

 

5. Aproveite ao máximo as estratégias de marketing multichannel

Hoje, boa parte das médias e grandes empresas atende também por e-commerce e, ao escolherem suas agências de publicidade, esses clientes dão preferência aos profissionais que também possam criar estratégias de marketing para as lojas digitais. Por isso, o marketing multichannel está em pleno crescimento.

Se os seus clientes têm essa característica (com dois ou mais canais para vendas), será essencial que os serviços publicitários supram essa demanda. Caso contrário, a agência tende a perder cada vez mais fatias do mercado.

Como você pôde perceber, dominar as técnicas de mobile marketing é indispensável para aumentar o número de contratos fechados. Acompanhando as principais tendências desse nicho, a agência terá mais chances de apresentar melhores resultados e de ampliar a sua produtividade.

E você? Quer saber mais sobre como turbinar suas táticas de prospecção? Então, baixe nosso e-book sobre como atrair clientes para a sua agência e fique por dentro das melhores práticas!