10
mai

Qual a melhor forma de definir os contratos de fee mensal?

Por hora ou por peça/serviço? Confira em nosso post como você pode cobrar pelos serviços mensais prestados aos clientes da sua agência

 contrato de fee mensalÉ muito importante para o planejamento decidir como sua agência realiza contratos!

Esse é um tema que vira e mexe aparece em discussões no meio publicitário: como precificar o valor do serviço, por hora ou por peça/pacote de serviços? Neste artigo vamos te ajudar a escolher a melhor forma de cobrança para as propostas de fee mensal da sua agência.

Antes de continuar a ler este post, confira esse nosso artigo completo sobre tudo relacionado ao fee mensal!

Para começar, vamos à famigerada frase: “não existe uma receita de bolo”. Portanto, o que funciona para a agência A nem sempre funcionará para a agência B. Mas a reflexão deste artigo é justamente te proporcionar insumos para sua tomada de decisão, seja ela por hora ou por peça/pacote.

Você também pode combinar com o cliente um valor relacionado ao desempenho da campanha, o chamado success fee. Assim, você torna sua equipe mais engajada e pode aumentar sua rentabilidade com seus projetos.

Todo gestor, em algum momento, já pensou se está usando a maneira mais adequada para precificar seus serviços. Bom, saiba que isso é natural e muito importante para a saúde financeira de sua agência. Hoje, o mercado é dominado em grande parte por duas formas de cobrança: por hora ou por peça/serviço.

Para ajudar em sua tomada de decisão, vamos listar aqui as principais vantagens e desvantagens de cada modelo.

Contrato de fee mensal baseado por peça/serviço

Com certeza é a modo mais praticado hoje no mercado. Sua forma de precificação é mais simples. Porém, temos que ter uma atenção considerável nessa prática, pois nem sempre a quantidade de peças é cumprida pelo cliente.

Vantagens

  • É a maneira mais fácil de tornar tangível os serviços prestados: muitas agências optam por essa modalidade justamente pela facilidade em transformar peças em valores. Com isso, a negociação com o cliente fica mais clara. Por exemplo, um e-book + dois blog posts + 10 publicações em redes sociais será cobrado o valor X.
  • Melhor controle do trabalho: ao começar a desenhar o escopo do job, é mais claro a visão por quantidade de peças do que por horas laboradas, e isso pode otimizar muito o tempo do seu atendimento e de sua equipe de criação.
  • Visão quantitativa: ao realizar a proposta comercial ou até mesmo a prestação do serviços realizados para o cliente, esse tipo de contrato é mais assertivo, não deixando dúvidas sobre a quantidade de peças criadas para cada cliente.

Desvantagens

  • É preciso saber o custo exato de cada item: é muito comum que o fee mensal contemple um pacote de serviços. Por isso, é preciso saber exatamente o esforço e custo de cada parte. Ou seja, o custo de produção de uma publicação em redes sociais é infinitamente menor do que a criação de um e-book, por exemplo.
  • Cliente sempre pede mais: não é raro ver a seguinte frase “Cliente tá pedindo mais peças!”. Ao fechar um contrato de prestação de serviços por peça/pacote, é muito importante que a agência tenha esse número em mente, pois o cliente pode solicitar mais peças ou serviços, e a agência acaba fazendo mais tarefas do que estava prevista em contrato.
  • O céu é o limite: outra armadilha frequente é o pagamento de um valor mensal pela criação de quantas peças o cliente quiser. Cuidado! É preciso estipular e deixar claro qual será o trabalho prestado. Não corra o risco de pagar para trabalhar.

Nova call to action

Contrato de fee mensal baseado em horas

Estipular seus contratos com base no tempo que sua equipe gastará na execução das tarefas pode te ajudar a calcular melhor a produtividade, mas pode ser mais complicado mostrar para o cliente em quê ele está investindo. Veja quais são as características do contrato de fee mensal baseado em horas.

Vantagens

  • Estimativa: o uso da estimativa (ferramenta de acompanhamento de horas) é, sem dúvida, o grande aliado de um contrato de horas. Ela poderá mostrar de forma rápida e clara o tempo gasto e quanto ainda falta para ser utilizado. Aposte em um software de gerenciamento que tenha essa função.
  • Forma de cobrança mais assertiva: sabendo que o cliente poderá demandar uma quantidade de horas específicas em sua agência, isso trará um benefício na hora de cobrança de horas adicionais de trabalho — e principalmente de horas de refação. Para que seja feito de forma correta, não deixe de colocar essas informações em seu contrato.

Desvantagens

  • Dificuldade em tangibilizar os serviços: cobrar por aquilo que “não se vê” é de fato a maior desvantagem desse tipo de contrato. Para melhorar essa visão, é necessário investir na educação do cliente. Mostre sempre o esforço — nesse caso, o tempo — gasto de sua equipe para realizar as ações solicitadas.
  • Centralidade do timesheet: quando falamos em cobrar por horas trabalhadas, é fundamental que sua equipe use 100% o timesheet, pois será por meio dele que você saberá exatamente o tempo que já foi utilizado por seu time. Portanto, todo mundo tem que estar com essa ferramenta na ponta do lápis, seja do atendimento, da criação ou da produção, pois sua precificação é centrada no tempo.

Independentemente da escolha, o tempo estará sempre presente em sua rotina!

A hora sempre estará presente em seus contratos, mesmo os baseados em peças? Sim!

Parece contraditório, mas não é. Mesmo que sua agência trabalhe com peças e/ou pacotes de serviço, você precisará entender e mensurar o tempo gasto na execução de cada tarefa.

Vamos a um exemplo para esclarecer essa afirmação. Seu contrato de fee mensal possui 10 publicações em redes sociais + três e-mails marketing + dois blog posts. Nesse caso você precisará entender qual esforço e custo que cada trabalho desse irá gerar para sua agência. Somente após isso será possível cobrar o valor certo.

Seu custo será valor/hora dos envolvidos x tempo gasto. Percebeu agora a importância de se calcular a hora também nesse caso?

Não existe uma forma certa ou errada de se cobrar pelos contratos, mas sim o método que trará uma maior rentabilidade para sua agência. Então aposte sempre no modelo que trará essa rentabilidade de maneira mais clara e assertiva. Como dissemos no início, não existe uma receita de bolo exata, mas com certeza será utilizando os melhores ingredientes que seu bolo ficará mais gostoso!

E agora, já decidiu qual forma de contrato de fee mensal é mais rentável para a sua agência ou house? Para que seus contratos tenham um controle efetivo dos gastos e rendimentos, é preciso um bom planejamento das finanças. Então aproveite e baixe nossas planilhas de controle financeiro para ajudar na gestão de sua agência!